quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Crumble de maçã

 

Ingredientes:
6 maçãs
60 g de açúcar
2 colheres de sopa de sultanas
Licor de maçã com canela a gosto
1 Colher chá de Canela em pó
150 g de farinha
80 g de açúcar amarelo
80 g de margarina

Preparação

Ligue o forno e regule-o para os 225 °C. Descasque e corte as maçãs em pedaços pequenos. Ponha-a num recipiente que possa ir ao micro-ondas e ao forno e junte o açúcar e as sultanas.

Borrife com o licor e polvilhe com canela, a gosto. Tape e leve ao micro-ondas entre 6 a 8 minutos, consoante a qualidade das maçãs (não se esqueça de mexer a meio do tempo)

Enquanto as maçãs estão no micro-ondas, misture a farinha com o açúcar (se gostar perfume também com uma pitada de canela). Junte a margarina  cortada em pedaços e, com a ponta dos dedos, desfaça a margarina misturando-a com a farinha até obter uma areia grossa.

Espalhe esta massa sobre as maçãs e leve ao forno até dourar a crosta. Sirva morna ou fria e se quiser pode acompanhar com iogurte natural ou natas batidas, com ou sem açúcar.

Sugestão

Pode usar fruta em calda cortada em pedaços e, sendo assim, não precisa de a cozinhar primeiro, mas escorra-a bem.
Experimente também substituir o licor por vinho do Porto ou por Moscatel, rum.....enfim o seu gosto é que manda....



 Informações complementares:

Tempo de preparação - 20/30 minutos
Dificuldade - Fácil
Vegetariano - Não
Para crianças - Sim
Ingrediente principal - Maça
N.º de porções -  8
Prato - Sobremesa

Bom ano
Xénia


 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015




Para todos os que me acompanham que o ano 2016 seja melhor que 2015, espero que continuem a gostar das receitas e dicas, farei por isso.
 
Para todos os parceiros da Cozinha da Xénia, o ano 2015 não seria o mesmo sem vós, a todos o meu obrigada.
 




 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 
 
 
 
Xénia


Como enriquecer os seus molhos

Para engrossar um molho, como se procede?
Para engrossar um molho salgado adicione farinha depois de a alourar em manteiga ou margarina. Para alourar a farinha, derreta um pouco de manteiga, ou outra gordura. Junte a farinha. Mexa sempre e deixe alourar entre um a dois minutos. Para o molho branco não deve deixar alourar demasiado a farinha. Para outros molhos deixe alourar até cinco minutos.
Outro processo para engrossar um molho consiste em misturar a farinha com um pouco de água fria antes de a juntar, a pouco-e-pouco, ao molho quente. Deixe ferver durante dois a três minutos para engrossar. Este processo aplica-se, por exemplo, a molhos com amido de milho (Maizena) ou fécula de batata.
Ainda para engrossar molhos pode acrescentar gemas. Se o molho tiver na sua base farinha e manteiga bata ligeiramente as gemas e junte um pouco de natas (opcional). Misture, então, com uma colher de molho quente e deite aos poucos no tacho do restante molho, batendo rápida e vigorosamente, para evitar a formação de grumos.

E quando o molho cria grumos?
Caso o molho, ao qual adicionou amido de milho (Maizena) ou fécula de batata, apresentar grumos, retire o tacho do lume e bata o molho vigorosamente. Em alternativa, deixe arrefecer ligeiramente, batendo o molho de seguida num copo de batidos até ao preparado se apresentar homogéneo e cremoso.

E se o molho talhar?
Caso a maionese talhe, pode iniciar de novo o processo com outra gema batida, juntando aos poucos ao molho talhado, batendo com vigor. Quando o molho retomar a sua textura normal, continue a juntar o restante óleo.
Caso o molho Holandês talhe, deite numa tigela uma colher de chá de sumo de limão e uma colher de sopa de molho talhado. Bata vigorosamente até a mistura se apresentar cremosa e espessa e, de seguida, junte gradualmente o molho talhado, batendo muito bem entre cada adição.

Posso acrescentar a um molho quente gemas de ovo?
Não. A mudança brusca de temperatura faz coalhar as gemas. Para evitar esta reação basta aquecer gradualmente as gemas, acrescentando-lhes, aos poucos, pequenas quantidades de molho quente. Depois desta operação já é possível acrescentar as gemas ao molho sem qualquer problema.

Para manter o molho quente o que preciso fazer?
Um molho mantém-se quente por algum tempo, quando conservado num recipiente em banho-maria, com água quente na parte inferior. Caso o molho tenha como base ovos, deve mantê-lo aquecido em água morna. Caso contrário o molho irá talhar.

Caso queira congelar um molho como devo proceder?
Consegue arrefecer o molho rapidamente vertendo-o para um recipiente frio. O molho deve ficar a 1 cm do topo do recipiente. Não deve congelar mais de 3 dl de molho em cada recipiente. Tape este rapidamente e arrefeça-o no frigorífico. De seguida, congele o molho.
Para descongelar, leve o molho a lume brando num recipiente em banho-maria, não deixando de mexer quando começar a descongelar.
Um molho pode manter-se congelado de dois a três meses. Os molhos à base de ovos não se devem congelar.

Fonte: Sapo sabores
Xénai

Dicas infalíveis para conseguir melhorar os seus bolos de chocolate

-Se preferir bolos de chocolate leves, com textura fofa e macia, opte por receitas com chocolate em pó;

- Caso opte por bolos de massa mais compacta e pesada (ex. brownie), opte por receitas com chocolate em tablete;

- Tal como na maioria dos bolos, se bater as claras em castelo ficará com uma massa mais leve;

- Se optar por usar tablete de chocolate e gostar de sabor intenso escolha uma com 70 % cacau;

- Se desejar um sabor extra a chocolate num bolo que leve chocolate em pó, junte à massa, antes de ir ao forno, umas pepitas ou raspas de chocolate;

- Se o bolo for um brownie, forre a forma/tabuleiro com papel vegetal e unte o mesmo. Não passe farinha pois, geralmente, este tipo de bolos leva manteiga e pode ficar muito agarrado à forma;

Chocolate e laranja, uma excelente combinação. Inove a receita adicionando umas raspas de laranja;

-Uma cobertura rápida e que sai sempre bem, incorpora uma tablete de 200 g partida aos pedaços e um pacote de natas. Vai a banho-maria até obter uma mistura homogénea, deixando arrefecer um pouco. Cobre-se e/ou recheia-se;

-Também pode fazer a cobertura, tal como referido acima, usando chocolate branco.

Fonte: sapo sabores
Xénia

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Natal com frutos secos

Amêndoas, nozes, pinhões, amendoins, são apenas alguns dos mais concorridos frutos secos. Alguns veem-nos como inimigos da linha, e um atentado às dietas. Contudo, são uma das melhores fontes de gorduras insaturadas e de sais minerais. Há que ter especial cuidado na conservação destes alimentos, dado criarem facilmente bolores, extremamente prejudiciais à saúde.

Porque comemos frutos secos pelo Natal?
Ao que tudo indica, os frutos secos estão profundamente ligados às festividades do solstício do Inverno. Na antiga Roma era um presente habitual durante as celebrações e eram especialmente apreciados pelas crianças, que os valorizavam quer como brinquedos (para jogar ao berlinde), quer como comida. Entre as classes mais abastadas os frutos secos eram cobertos de ouro e serviam para presente e motivo decorativo. Os romanos tinham, ainda, um elevado apreço pelos frutos secos, dados os benefícios para a saúde que neles descobriram. Encontramos como tal, bem recuadas no tempo, as origens para o levar à mesa, pelo Natal, dos frutos secos. Trata-se da sobrevivência de um antigo costume romano, que prometia a ausência de fome, pobreza, morte por envenenamento e torpor por excesso de bebida.

Os frutos secos, um a um:

Amêndoa  - o fruto da amendoeira, conhecendo-se, em Portugal, duas variedades: a amarga e a doce. A combinação desta última com ovos e açúcar em ponto constitui a base da maior parte dos doces regionais portugueses. São também utilizadas em pratos salgados. É altamente nutritiva, comprando-se facilmente durante todo o ano.
Valor calórico: Cada 100 gr contém aproximadamente 630 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser conservadas em lugar fresco e seco. Com a idade, as amêndoas tem tendência para rançar pelo que se deve consumir as do ano. Depois de descascada a amêndoa é muitas vezes pelada, para o que deve mergulhar-se em água a ferver. Escorrer-se imediatamente e ser pelada antes de arrefecer.
Proveniência no nosso país: Algarve e Trás-os-Montes.

Amendoim - É um fruto tropical extraordinariamente nutritivo, com uma enorme quantidade de gordura, proteínas e sais minerais. É muito utilizado na alimentação dos povos tropicais. Entre nós utiliza-se como aperitivo, depois de descascado e frito, ou grelhado com sal e pimenta, e também em confeitaria e pastelaria. Comem-se crus, tostados ou salgados.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 600 calorias.
Conservação e consumo: Utilize o óleo de amendoim no tempero das saladas. Ao comprar escolha amendoins de cor uniforme, sem manchas nem vestígios de bolor.
Proveniência no nosso país: Litoral Alentejano.

Avelã - Possui um extraordinário valor nutritivo. Pode ser consumida em cru, podendo ser utilizada em confeitaria e pastelaria finas. Encontra-se à venda com ou sem casca, inteira, picada ou torrada.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 625 calorias.
Conservação e consumo: Não devem ser guardadas durante muito tempo, pois rançam com facilidade- Depois de se lhe retirar a casca, para a libertar da membrana que a envolve, a avelã deve ser ligeiramente torrada no forno, e depois esfregada com um pano.

Figo - Tanto os figos frescos quanto os secos são ricos em pectina, uma fibra solúvel que ajuda a reduzir o colesterol no sangue. Apesar de ricos em calorias, os figos secos são altamente nutritivos.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 200 a 280 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardados em recipientes hermeticamente fechados, em local fresco e seco.
Proveniência no nosso país: Algarve.

Noz - Fruto bastante nutritivo, rico em vitamina C e potássio. Quando combinadas com leguminosas são boa fonte de proteína. Pode comer-se como fruto de sobremesa ou ser preparada em doce.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 680 calorias.
Conservação e consumo: Como rança facilmente recomenda-se a sua compra em pequenas quantidades.
Proveniência no nosso país: Centro litoral, Norte Alentejano e Algarve.

Pinhão - É o pequeno grão que se encontra na pinha proveniente do pinheiro. Obtêm-se depois de descascar as pinhas verdes ao sol ou em fornos, de forma a amadurecerem e abrirem. Pode ser consumido como aperitivo ou em preparações de confeitaria e doçaria.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 618 calorias.
Conservação e consumo: Depois de descascados, os pinhões devem ser guardados em lugar seco e fresco. Não deve ser conservado muito tempo pois tem tendência para rançar.

Passas São obtidas através da secagem das uvas brancas ao sol, ou por desidratação mecânica. Existem diversas variedades: corinto doces e sem sementes, as de málaga, as moscatel e as sultanas.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 302 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardadas em recipientes herméticos, em locais frescos e secos.

Pistácio  - Trata-se de uma noz verde-clara, coberta com uma pele avermelhada. É servido como aperitivo, mas também possui aplicações em gelados e sobremesas. Combina bem com a carne.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 594 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardados em local fresco e seco.

Tâmaras - As tâmaras são excelentes fontes de potássio, boa fonte de ferro e cálcio, e ricas em fibras. É uma das frutas mais doces. É originária do Médio Oriente. Pode ser consumida ao natural, usada em saladas, bolos e pudins.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 300 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardadas em local fresco e seco.

Fonte: Sapo sabores
Xénia

Sabe cozinhar cogumelos?

- Cada espécie adequa-se a pratos específicos. Assim, os champignon (fresco) são ótimos em aperitivos, saladas, pizas, molhos. Os shiitake (fresco) adequam-se a saladas, risotos, pizas, molhos, massas. Já os shimeji (fresco) podem ser fritos ou grelhados, adaptam-se a massas e risotos. A espécie hiratake (fresco) serve bem com risotos, massas, refogado, sushi;

- No momento da compra, devemos escolher os cogumelos com cúpula bem fechada e inteira. Há que evitar aqueles com aspeto quebradiço, com manchas ou viscosidade;

- Os cogumelos frescos não devem ser lavados, dado serem muito porosos e absorverem muita água. Utilize, quanto muito, um pincel ou escovinha. Preservarão assim o sabor e a textura;

- Se utilizando o método indicado anteriormente não for possível remover a totalidade da sujidade, os cogumelos podem ser passados por água e envolvidos num pano seco;

- Não devemos descartar os talos. São ótimos para recheios, sopas e caldos.

- Para hidratar cogumelos secos, há que deixá-los de molho em água quente entre 20 a 60 minutos;

- Não se descarta a água utilizada na hidratação dos cogumelos. Depois de coada, pode ser usada em risotos, caldos ou sopas;

- Os cogumelos devem ser cozinhados em lume forte, utilizando recipientes largos e baixos.

Deveremos evitar a sobreposição dos cogumelos. Desta forma liberta-se o excesso de humidade e simultaneamente conserva-se parte da água que constitui o cogumelo;

- Para congelar cogumelos há que seguir este procedimento: limpar os cogumelos. Levar ao lume numa panela sem adicionar água (cozinham no seu próprio líquido). Para cada quilo de cogumelos acrescenta-se o sumo de 1/2 limão. Quando levantar fervura deixa-se assim um a dois minutos. Retira-se os cogumelos do lume, dispensa-se a água da cozedura e aplica-se um choque térmico com água fria da torneira. Escorre-se toda a água. Coloca-se os cogumelos em frascos de vidro limpos. Descansam um pouco, até arrefecerem totalmente, sem fechar o frascos. Tapa-se os frascos e leva-se estes ao congelador.

Fonte: Sapo sabores
Xénia

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Dicas para os fritos de Natal

Não os dispensamos nas nossas mesas da Consoada. Para quem opta pelas receitas caseiras, ficam alguns conselhos para tirar dos fritos o melhor proveito:

- Na escolha do fermento deve optar pelo de padeiro;

- Na utilização das leveduras, respeite o tempo indicado para que a massa fique devidamente lêveda. Caso contrário absorverá muito óleo durante a fritura;

- Antes de iniciar a fritura da massa certifique-se que o óleo se encontra à temperatura ideal. Para testar, basta no momento em que leva o óleo ao lume, incluir um dente de alho. Quando este vier à superfície o óleo está à temperatura ideal para começar a fritura;

- Sonhos: Para fritarem em condições terão de “rebentar”. Caso contrário ficam fritos por fora e crus no interior. Para facilitar este processo, utilize a escumadeira encostando os sonhos aos bordos da frigideira;

- Coscorões: Ao tender a massa vá polvilhando a superfície de trabalho com farinha assim como o rolo de cozinha. Uma massa fina significa um coscorão estaladiço;

- Azevias: Caso prefira usar grão seco, demolhe-o com 10 a 12 horas de antecedência. Escorra-o, depois, e coza-o na panela de pressão, em água e sal e por 30 minutos.

Feliz Natal para todos vós
Xénia

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Caril de raia


Uma experiência cá em casa, nunca tinha feito nada com raia. Aproveitei o Cabaz do peixe,.

O Cabaz do Peixe consiste na venda de peixe fresco, proveniente da pequena pesca, exclusivamente Artesanal, de Sesimbra, uma pesca sustentável, de pequenas embarcações, maioritariamente pesca de anzol, o que garante um maior frescura e qualidade do pescado.
O peixe é comprado pela própria associação dos armadores de pesca, uma associação sem fins lucrativos, de forma a eliminar os intermediários, assim os pescadores vendem a um valor mais justo pelo seu trabalho, e todos podem comprar a um melhor preço.

Como funciona

O cliente não escolhe que espécies de peixes pretende, mas tem toda a liberdade de indicar até 3 espécies que não quer que venham incluídas.
A quantidade do cabaz varia entre os 2,5kg peso bruto do “Cabaz Leve” que inclui 2 ou mais espécies diferentes pelo valor de 13€, e os 4kg peso bruto do “Cabaz Família” que inclui 3 ou mais espécies diferentes pelo valor de 20€, pagos em dinheiro no ato da entrega. O peixe já vem escamado e eviscerado, pronto para os seus cozinhados, e conforme o tipo de peixe existem mais ou menos perdas, pelo que o peso varia ligeiramente.
Foi a primeira vez que encomendei e veio Raia, Polvo e Peixe espada preto. Gostei da ideia e vou repetir de certeza.
Ingredientes:
- Raia, mais ou menos 800g partida em pedaços
- Pasta de caril a gosto, usei umas 4 colheres porque cá em casa adoramos caril
- 1 Lata de leite de coco
- 1 Cebola picada
- 2 Dentes de alho picados
- Azeite a gosto
- Sal e pimenta a gosto
Preparação:
Refogar em azeite a cebola e o alho.
Juntar o caril e mexer bem.
Juntar o leite de coco e mexer.
Juntar o peixe e deixar por uns 10 minutos. A raia é um peixe que o tempo de cozedura é rápido.
Temperar com sal e pimenta a gosto.
Acompanhei com arroz branco.





Informações complementares:

Tempo de preparação - 20 minutos
Dificuldade - Fácil
Vegetariano - Não
Para crianças - Sim
Ingrediente principal - Raia
N.º de porções -  4
Prato - Principal


Xénia

 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quiche utilizando sobras

Mais uma receita aproveitando sobras, desta vez foi salmão. Podem usar outras sobras que tenham em casa, o que interessa é não desperdiçar nada.
 
 
 
Ingredientes:
 
- 1 Base de massa folhada
- Salmão, utilizei uma posta que tinha restado do dia anterior.
- Meio pimento verde
- Meio pimento vermelho
- Meio alho francês
 
Nota: Tenho sempre os legumes já cortados em sacos no congelador. Assim facilita e tenho o ano todo.
 
- 1 Lata de cogumelos laminados
- Espinafres a gosto
- 4 Ovos
- Meio pacote de natas, +/-100ml
- Meia cebola picada
- 1 Dente de alho picado
- Azeite a gosto
- Queijo ralado emmenthal a gosto
- Sal e pimenta a gosto
 
 
Preparação:
 
Estender a massa numa forma de ir ao forno.
 
Refogar a cebola e o alho picados em azeite, acrescentar os legumes, pimentos, espinafres, alho francês e cogumelos. e deixar ficar por uns 5 a 10 minutos mexendo sempre.
Temperar com sal e pimenta a gosto.
Acrescentar o salmão desfiado. Envolver bem.
 
Deixar arrefecer um pouco.
 
Numa tigela juntar ao preparado dos legumes os ovos inteiros e as natas, mexer bem.
 
Colocar sobre a massa e polvilhar com o queijo a gosto.
Levar ao forno a 180ºC durante cerca de 30 minutos.

 
 
 
 




Presente da CArte D'Or

Recebi ontem estes lindíssimos presentes da Carte D'Or. Para mim, gelados são o ano inteiro e não só no verão, estes Chocolate Brownie e creme Brûlée são ótimos. Experimentem e deliciem-se.
 
 


Gelado de chocolate envolto num delicioso molho de chocolate e coberto com apetitosos pedaços de brownie
 
 
Gelado de baunilha com molho de caramelo e pepitas de açúcar caramelizado
 
 
 




quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Música, workshop de culinária, almoço e jantar em evento de solidariedade

Uma iniciativa do Algarve Chefs Week junta nove chefes de cozinha e o cantor Diogo Piçarra, no dia 11 de dezembro. O objetivo é recolher fundos para a Casa dos Rapazes e do Centro de Apoio ao Sem Abrigo, em Faro.

                           



De manhã, os chefes Diogo Pereira (Pine Cliffs Resort), Miguel Lourenço (Vale D’Oliveiras Quinta Resort & Spa), José Botelho (Conrad Algarve), Vítor Monteiro (NAU Salgados Dunas Suites), José Leitão (NAU Salgados Palace), David Domingues (Praia Verde Boutique Hotel), Bruno Rocha (Tivoli Victoria), Ricardo Ferreira (Tivoli Marina Vilamoura) e Miguel Teixeira (Vidamar Resort Algarve) vão ao Instituto Francisco Gomes mostrar os seus dotes culinários com um workshop infantil, seguido de almoço. Presente estará também o artista Diogo Piçarra, para uma sessão de autógrafos.

Para o final do dia está previsto um jantar solidário no hotel NAU Salgados Palace. O evento é aberto ao público, com limite de 300 pessoas, mediante inscrição no valor de €30,00, e inclui um menu de cinco pratos e seleção de bebidas) e um concerto de música ao vivo por Diogo Piçarra.

O valor será doado às duas instituições envolvidas nesta ação de apoio social. Os bilhetes podem ser adquiridos junto das unidades hoteleiras participantes, bem como em ambas as instituições.

Fonte:Sapo