segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Natal com frutos secos

Amêndoas, nozes, pinhões, amendoins, são apenas alguns dos mais concorridos frutos secos. Alguns veem-nos como inimigos da linha, e um atentado às dietas. Contudo, são uma das melhores fontes de gorduras insaturadas e de sais minerais. Há que ter especial cuidado na conservação destes alimentos, dado criarem facilmente bolores, extremamente prejudiciais à saúde.

Porque comemos frutos secos pelo Natal?
Ao que tudo indica, os frutos secos estão profundamente ligados às festividades do solstício do Inverno. Na antiga Roma era um presente habitual durante as celebrações e eram especialmente apreciados pelas crianças, que os valorizavam quer como brinquedos (para jogar ao berlinde), quer como comida. Entre as classes mais abastadas os frutos secos eram cobertos de ouro e serviam para presente e motivo decorativo. Os romanos tinham, ainda, um elevado apreço pelos frutos secos, dados os benefícios para a saúde que neles descobriram. Encontramos como tal, bem recuadas no tempo, as origens para o levar à mesa, pelo Natal, dos frutos secos. Trata-se da sobrevivência de um antigo costume romano, que prometia a ausência de fome, pobreza, morte por envenenamento e torpor por excesso de bebida.

Os frutos secos, um a um:

Amêndoa  - o fruto da amendoeira, conhecendo-se, em Portugal, duas variedades: a amarga e a doce. A combinação desta última com ovos e açúcar em ponto constitui a base da maior parte dos doces regionais portugueses. São também utilizadas em pratos salgados. É altamente nutritiva, comprando-se facilmente durante todo o ano.
Valor calórico: Cada 100 gr contém aproximadamente 630 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser conservadas em lugar fresco e seco. Com a idade, as amêndoas tem tendência para rançar pelo que se deve consumir as do ano. Depois de descascada a amêndoa é muitas vezes pelada, para o que deve mergulhar-se em água a ferver. Escorrer-se imediatamente e ser pelada antes de arrefecer.
Proveniência no nosso país: Algarve e Trás-os-Montes.

Amendoim - É um fruto tropical extraordinariamente nutritivo, com uma enorme quantidade de gordura, proteínas e sais minerais. É muito utilizado na alimentação dos povos tropicais. Entre nós utiliza-se como aperitivo, depois de descascado e frito, ou grelhado com sal e pimenta, e também em confeitaria e pastelaria. Comem-se crus, tostados ou salgados.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 600 calorias.
Conservação e consumo: Utilize o óleo de amendoim no tempero das saladas. Ao comprar escolha amendoins de cor uniforme, sem manchas nem vestígios de bolor.
Proveniência no nosso país: Litoral Alentejano.

Avelã - Possui um extraordinário valor nutritivo. Pode ser consumida em cru, podendo ser utilizada em confeitaria e pastelaria finas. Encontra-se à venda com ou sem casca, inteira, picada ou torrada.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 625 calorias.
Conservação e consumo: Não devem ser guardadas durante muito tempo, pois rançam com facilidade- Depois de se lhe retirar a casca, para a libertar da membrana que a envolve, a avelã deve ser ligeiramente torrada no forno, e depois esfregada com um pano.

Figo - Tanto os figos frescos quanto os secos são ricos em pectina, uma fibra solúvel que ajuda a reduzir o colesterol no sangue. Apesar de ricos em calorias, os figos secos são altamente nutritivos.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 200 a 280 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardados em recipientes hermeticamente fechados, em local fresco e seco.
Proveniência no nosso país: Algarve.

Noz - Fruto bastante nutritivo, rico em vitamina C e potássio. Quando combinadas com leguminosas são boa fonte de proteína. Pode comer-se como fruto de sobremesa ou ser preparada em doce.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 680 calorias.
Conservação e consumo: Como rança facilmente recomenda-se a sua compra em pequenas quantidades.
Proveniência no nosso país: Centro litoral, Norte Alentejano e Algarve.

Pinhão - É o pequeno grão que se encontra na pinha proveniente do pinheiro. Obtêm-se depois de descascar as pinhas verdes ao sol ou em fornos, de forma a amadurecerem e abrirem. Pode ser consumido como aperitivo ou em preparações de confeitaria e doçaria.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 618 calorias.
Conservação e consumo: Depois de descascados, os pinhões devem ser guardados em lugar seco e fresco. Não deve ser conservado muito tempo pois tem tendência para rançar.

Passas São obtidas através da secagem das uvas brancas ao sol, ou por desidratação mecânica. Existem diversas variedades: corinto doces e sem sementes, as de málaga, as moscatel e as sultanas.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 302 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardadas em recipientes herméticos, em locais frescos e secos.

Pistácio  - Trata-se de uma noz verde-clara, coberta com uma pele avermelhada. É servido como aperitivo, mas também possui aplicações em gelados e sobremesas. Combina bem com a carne.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 594 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardados em local fresco e seco.

Tâmaras - As tâmaras são excelentes fontes de potássio, boa fonte de ferro e cálcio, e ricas em fibras. É uma das frutas mais doces. É originária do Médio Oriente. Pode ser consumida ao natural, usada em saladas, bolos e pudins.
Valor calórico: Cada 100 gr contém 300 calorias.
Conservação e consumo: Devem ser guardadas em local fresco e seco.

Fonte: Sapo sabores
Xénia

1 comentário:

  1. Eu adoro pinhoes e avelas! O problema é que tanto uns como os outros são uma fortuna! Beijinhos

    ResponderEliminar