quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Bifes peru recheados com farinheira e alperces secos

Depois de algum tempo ausente, devido a obras na cozinha,.... sim, finalmente tenho a cozinha pronta.
As refeições lá em casa foram mesmo a despachar, e quando não eram já feitas, tipo frango assado, uma pizza....
Agora até dá gosto inventar. Desta vez foi bifes de peru recheados com farinheira e alperces secos.

Ingredientes para 4 pessoas:

- 4 Bifes de peru, ao todo tinha cerca de 1.5Kg
- 1 Farinheira
- 1 Embalagem de alperces secos
- Sal e pimenta preta moída na hora a gosto
- Ervas de Provence a gosto
- Azeite a gosto

Preparação:

Retirar a pele à farinheira e numa tigela envolver bem.
Temperar cada bife com sal, pimenta e ervas de Provence.

Dispor os bifes sobre uma tabua e colocar um pouco de farinheira e algumas rodelas de alperce. Enrolar o bife e colocar numa travessa de ir ao forno. Se for necessário prender os bifes com um palito, no meu caso não foi necessário.

Fazer o mesmo para os restantes bifes.

No final regar com um pouco de azeite e levar ao forno a 180 Cº durante cerca de 30 minutos.







Bom apetite
Xénia

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Ingrediente Rei – SULTANAS

 


A sultana é um tipo de passa um pouco maior e mais dourada. É um fruto seco desidratado geralmente usado em doces mas que também pode integrar salgados.

Raisins on sackcloth, closeup

  • A passa tem origem num tipo de uva mais pequeno que foi submetida a um processo de desidratação – uma forma de conservar fruta que resulta da exposição prolongada ao sol.
  • A passa possui diversas variedades que se diferenciam pela cor, tamanho e sabor. As mais conhecidas são os corintos e as de que falamos nesta rubrica.
  • As sultanas possuem normalmente uma cor mais clara e dourada e o seu tamanho é maior em relação aos corintos. Também são conhecidas como passas brancas ou passas de Málaga.
  • Embora o sabor das passas seja mais ou menos ácido, consoante a variedade, a concentração de açúcar é sempre maior quando comparada com os bagos de uva frescos. São ainda ricas em vitaminas e fibras.
  • As sultanas podem ser usada numa infinidade de doces, mas também em salgados como saladas, recheios de carne e atum, arroz e molhos.
  • Deve ser conservadas dentro da própria embalagem bem fechada ou num frasco com fecho hermético.
 
Fonte: Teleculinária

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Ingrediente Rei – FAVAS

 


Sabor forte e aroma intenso são as características que melhor a definem. É na Primavera que estão especialmente frescas, tenras e suculentas.
 favas1
Um pouco de história
  • Os registos históricos indicam que a origem da fava dá-se na região do Cáspio e do Norte de África.
  • A fava é um alimento de grande importância desde a pré-história. Os gregos, os egípcios e os romanos, bem como em muitos países do Médio Oriente, já apreciavam bastante esta leguminosa.
É bom saber
  • A vicia faba é uma planta da família das leguminosas que produz vagens grandes, dentro das quais se formam as favas.
  • Pode ser utilizada no fabrico de farinhas ou incorporadas em compostos alimentares para animais.
  • Apesar de ser na Primavera que elas se vendem no seu estado fresco, as favas podem ser adquiridas congeladas ao longo de todo o ano.
Culinária
  • Popular na cozinha mediterrânica, a fava possui um sabor único e uma textura cremosa, podendo ser utilizada numa grande variedade de pratos.
  • Experimente-se em sopas, saladas, como acompanhamento de carnes e peixes, em puré, etc.
  • Para quem não aprecia muito o seu sabor intenso, é preferível retirar-lhes a pele depois de descascadas.
Nutrição
  • 100 gramas de favas possuem cerca de 69 kcal.
  • É considerado um alimento rico em proteínas de alto valor biológico.
  • A fava é ainda rica em aminoácidos e vitaminas do complexo B e em hidratos de carbono complexos que fornecem energia e fibras alimentares.

Fonte: Teleculinária

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

No dia de São Martinho arranca a grande festa do vinho e dos sabores em Lisboa

11 de novembro é Dia de São Martinho, data para “ir à adega e provar vinho”. Com esta efeméride coincide a inauguração, no Centro de Congressos de Lisboa, do Encontro com o Vinho e Sabores 2016 com a presença de 2500 néctares e perto de 450 produtores. Tertúlias, apresentação de vinhos raros e cozinha portuguesa completam o evento.
                           
 
 
O Encontro com o Vinho e Sabores é tido como o maior e mais conceituado evento vínico do país. De sexta-feira a domingo o convite é para todos; a segunda-feira, dia 14, está reservada a profissionais.

Nesta sua 17ª edição, o evento conta com a mostra e venda de mais de 2500 vinhos, dos cerca de 450 produtores provenientes todas as regiões vínicas do país e do estrangeiro. Se o “Vinho” é, por excelência, o mote do certame, esta edição também traz novidades no que toca aos “Sabores”. Os dias são temáticos: azeite (11), arroz (12) e bacalhau (13), contando com tertúlias gratuitas. Destas tertúlias farão parte demonstrações culinárias, harmonizações vínicas e provas, apresentações e conversas, entre outras atividades. São quatro os chefes de nomeada presentes no evento: Henrique Mouro (Bagos Chiado), Tiago Bonito (Lisboeta), Joaquim Sousa (chefe pasteleiro no The Oitavos Hotel) e Paulo Morais (conhecido sushiman, atualmente no Rabo d’Pêxe).

No primeiro dia, às 19h30, destaque para uma prova histórica de “Vinhos da Talha”, uma tradição milenar que o Alentejo conservou e que hoje volta a ser recuperada com grande entusiasmo por pequenas e grandes empresas da região. Esta prova, conduzida pela crítico da Revista de Vinhos Nuno Oliveira Garcia e onde estará uma talha (de tarefa) alentejana, é uma homenagem a uma prática cultural ancestral que permite produzir vinhos com carácter único e distintivo e que marcam pela diferença num mercado muito estandardizado.

Ainda no dia da inauguração, pelas 20h30, vão ser revelados os premiados do Concurso de Vinhos “A Escolha da Imprensa” 2016. Foram quase 350 os vinhos alvo do escrutínio de 36 jurados, um diversificado painel de jornalistas e bloggers que, não sendo na totalidade críticos experimentados, escrevem, gostam e bebem vinho. A prova aconteceu no dia 27 de Outubro no The Vintage Lisboa Hotel.
No dia de São Martinho arranca a grande festa do vinho e dos sabores em Lisboa

Novidades em primeira mão e 12 provas especiais:
As “Provas Especiais’” serão 12 este ano: uma prova de vinhos do Porto da Graham’s – vintage e colheitas – de grandes anos. Ou a prova de Pêra Manca e Scala Coeli, da Fundação Eugénio de Almeida. Ou ainda a prova de vinhos espanhóis da marca Vega Sicília. Ou ainda uma seleção de vinhos que, de alguma forma, foram marcantes nos 20 anos da carreira do enólogo Jorge Moreira. E que tal uma vertical de Quinta de Bacalhôa? Ou a prova dos vinhas da Casa de Santar? Note que haverá ainda mais provas: João Paulo Martins vai escolher 12 brancos excepcionais; Luís Antunes orienta-se para grandes tintos de Touriga Nacional; a Garrafeira Tio Pepe vai organizar a sua própria prova, comemorando os 30 anos de vida. E não perca ainda uma viagem aos vinhos da Madeira da casa Henriques & Henriques, que certamente vão impressionar os presentes.

Um encontro cheio de Sabores:
A área dos Sabores ganha terreno no que toca à oferta de iguarias para provar, comer e levar para casa.
O azeite, grande companheiro dos néctares de Baco na produção, é o protagonista do pavilhão dos Sabores logo no arranque do EVS. O Professor José Gouveia, do Instituto Superior de Agronomia, vai conduzir-nos na descoberta de “O que é o azeite”, seguindo-se uma “Prova de Azeites Esporão”, pela oleóloga Ana Carrilho.
No sábado, é tempo de falar de arroz. Um de cada vez, são três os chefes que vão meter a mão na massa, ou melhor, no arroz: Henrique Mouro (“Demonstração culinária da utilização do arroz e suas harmonizações com vinho”, em parceria com Francisco Silveira, da Companhia das Lezírias); Tiago Bonito, que confeccionará pratos para harmonizar com uma seleção de vinhos do Porto, da responsabilidade de Bento Amaral, do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto; e o pasteleiro Joaquim Sousa, que em conjunto com o gastrónomo Virgílio Nogueira Gomes, vai mostrar o “Arroz na doçaria nacional”.
No dia de São Martinho arranca a grande festa do vinho e dos sabores em Lisboa

Joaquim Bravo, da Orivárzea, fará uma apresentação com o tema: “Bom Sucesso, o genuíno arroz português para todas as cozinhas”.
O bacalhau, como bom companheiro que é das refeições em família, está reservado para domingo. Almoce e siga para o EVS para uma demonstração culinária com o chefe Paulo Morais e harmonização com vinhos da Adega Mãe, apresentados por Diogo Lopes e Bernardo Alves, da Riberalves. Conheça as “Diferentes curas e utilizações” (por Bernardo Alves) e alguns “Vinhos para bacalhau”, este último um momento conduzido por Luís Lopes, diretor da Revista de Vinhos. “Bacalhau, o fiel amigo” dará mote a uma conversa protagonizada pelos investigadores gastronómicos Fernando Melo (crítico da Revista de Vinhos e Evasões) e Álvaro Garrido (diretor do Museu de Ílhavo), e por Júlio Fernandes (diretor-geral do restaurante D’Bacalhau e vice-presidente da AHRESP).

O EVS vai também ser palco para a apresentação de dois livros: o “Vinhas Velhas de Portugal”, uma edição dos CTT escrita por Luís Antunes e fotos de Anabela Trindade; e “Histórias com vinho e outros condimentos”, que resulta de um compilação de crónicas do reconhecido crítico de vinhos João Paulo Martins.
O bilhete de acesso ao EVS custa 10,00 euros, valor ao qual acresce opcionalmente 3,00 euros, para compra de copo de prova.

artigo do parceiro:

Na região de Lisboa no dia de São Martinho há Magustos, provas de vinhos e passeios de barco

Os tradicionais magustos, provas de vinhos, jantares e passeios de barco são algumas das experiências que se encontram na Região de Lisboa para celebrar o São Martinho. As comemorações centram-se a 11 de novembro, com algumas a prolongarem-se para os dias seguintes.

                            

créditos: Lifestyle
 
 
Em Oeiras, a já tradicional festa de São Martinho está marcada para esta sexta-feira, entre as 11h00 e as 22h00, no Largo 5 de Outubro, no Centro Histórico de Oeiras. A par da oferta de castanhas, haverá barraquinhas com gastronomia variada e doçaria da Região. Esta iniciativa é promovida pela Câmara Municipal com a colaboração da ACECOA - Associação Comercial e Empresarial dos Concelhos de Oeiras e Amadora e tem entrada gratuita.
No mesmo dia, ainda em Lisboa, propõe-se um passeio de fim de tarde a bordo da embarcação histórica Évora, entre as 19h00 e as 21h00, num percurso “entre pontes” e durante o qual será servido água-pé, castanhas e vários petiscos. A iniciativa Fado no Tejo, que conta com a atuação da fadista Teresa Tapadas, tem partida marcada para a Doca do Espanhol, em Alcântara. As inscrições podem ser feitas através de reservas@barcoevora.com.
 
Já na Moita, está marcada a iniciativa Troca de Quadras e Castanhas, a partir das 15h00, na Biblioteca Municipal do Vale da Amoreira. Esta atividade é gratuita e aberta a toda a população.
Por sua vez, em Palmela comemora-se o São Martinho com a Rota dos Vinhos da Península de Setúbal a sugerir uma programação variada, nomeadamente para os dias 12 e 13 de novembro. No sábado, às 9h00, há uma prova de vinho novo e castanha assada, na ASL Tomé, no Pinhal Novo (esta é a única atividade gratuita e que não requer marcação prévia); e às 16h00, está prevista uma visita  guiada com prova de dois vinhos e castanha assada na Fernão Pó Adega, em Fernando Pó. Para essa noite, a proposta passa por um jantar de São Martinho com espetáculo de fado, às 20h30, na adega da Casa de Atalaia.
 
Ainda integrado nesta programação a sugestão de magusto para domingo decorre na Quinta do Piloto, com uma visita guiada à adega e caves do Moscatel de Setúbal, degustação de petiscos e espetáculo de fado, às 16h00.
 
Por fim, no Barreiro, a efeméride é assinalada a 19 de novembro com um magusto aberto ao público, com castanhas e batatas-doces assadas acompanhadas por jeropiga e água-pé, no Mercado Municipal 1.º de Maio, a partir das 10h00. A animação musical ficará a cargo do DJ Shortbeatz.

artigo do parceiro:

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Fermento para pão

Recebi logo pela manha um belo presente, "levedura de padeiro em pó Fermipan" para máquina do pão.
Boa, hoje que tinha decidido fazer pão na mfp.

Podem consultar através do link Touch

Muito obrigada.



quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Especial bebidas quentes Continente - 1 a 15 de Novembro









Folheto promocional continente Bio e Saudável - 1 a 28 de Novembro









Folheto promocional Pingo Doce - 1 a 3 de Novembro

 
 
 
 
 
 









Ingrediente Rei – AZEITONAS

 


De sabor agradável e muito próprio, a azeitona é uma fonte de nutrientes e de características acentuadas: calórica, proteica e vitamínica.
 
Ripe black olives with leaves.
A história
  • Fruto da oliveira, pertence à espécie Olea europaea, que a classifica como nativa da zona mediterrânica da Europa.
  • Apesar de existirem registos da sua presença em algumas regiões do norte de África e da Ásia, é na ilha de Creta que se encontram os primeiros indícios históricos da azeitona. Contudo, depressa se difundiu por várias outras regiões da europa e do mundo.
  • O continente americano conheceu este fruto graças aos exploradores portugueses e espanhóis que durante os séculos XV e XVI o transportaram para o outro lado do Atlântico.
Características
  • A variedade é enorme. Da Galega Vulgar, que predomina em solo português, à Carrasquenha, passando pela Cordovil de Castelo Branco, Galega, Maçanilha Algarvia, Redondil, Verdeal, Madural, Cobrançosa e Picual – estas duas últimas direccionadas para a produção do azeite.
  • Em Portugal é possível encontra-la de norte a sul, sobretudo no interior do país.
Culinária
  • É uma referência na alimentação dos portugueses e na cozinha mediterrânea seja para petiscar, acompanhar refeições ou como parte integrante de uma receita. Além do azeite que dela se extrai, ingrediente clássico e essencial da nossa gastronomia, pode utilizá-la de diferentes formas e numa enorme variedade de pratos de carne, peixe, massas, entradas ou saladas.
  • Muito embora seja colhida no mês de Setembro, a azeitona encontra-se disponível todo o ano e em diferentes variedades. Inteira ou descaroçada, recheada com pimentão ou com alho, por exemplo. A cor varia entre o verde, amarelo, púrpura e preto, dependendo da altura da colheita e dos processos de transformação a que é submetida, uma vez que não pode ser consumida directamente da árvore por causa da sua acidez natural.
  • Conserve-a no frigorífico, num recipiente hermeticamente fechado, de forma a manter a frescura e a humidade.
Valor nutricional
  • 100g de azeitonas possuem 172 Kcal, o que representa um elevado valor energético.
  • Conhecida pelo seu alto teor de gordura natural, é rica em ácido gordo monoinsaturado, garantindo-lhe propriedades anti-inflamatórias, mas também contém quantidades apreciáveis de vitamina E, conhecida pela sua acção antioxidante.

Fonte: Teleculinaria